logomarca

Em que Cremos?

imprimir tamanho da letra: A- normal A+

DECLARAÇÃO DE FÉ DA COMUNIDADE FAMÍLIA
 

Nossa declaração de fé representa os princípios ou verdades fundamentais que possuímos. A Declaração de Fé é parte essencial da Comunidade Família para que cada membro e visitante conheça os fundamentos de nossa fé. Este documento serve como uma aliança que nos une como uma comunidade e emoldura a nossa maneira de viver e trabalhar em unidade uns com os outros em Cristo Jesus.
 

NÓS CREMOS:
 

SAGRADA ESCRITURA
 

Os sessenta e seis livros da Bíblia são a Palavra de Deus escrita, verbalmente inspirada pelo Espírito Santo, inerrante, infalível e é a autoridade final em todas as questões de fé e conduta.
 

Pv 30.5-6; Jo 10.35; 17.17; Sl 119.105; Rm 1.16; 15.4; I Co 2.14; II Tm 2.15; II Tm 3.16; II Pe 1.20-21; Jr 1:12; Mt 4:4
 

DEUS
 

Há um só Deus verdadeiro, eternamente existente em três pessoas - Pai, Filho e Espírito Santo - igual e harmonioso em todos os aspectos, mas distinta em relação às funções divinas. Deus é o Criador e Sustentador de todas as coisas.
 

Dt 32.39; Is 44.6; Is 40.28; At 17.24-26; Ec 12.13; Mt 28.19; Ef 1.3-12, 20; Hb 12.6; Mt 1.16-18; Jo 1.14; At 2.22; Fp 2.6-11; Cl 2.9; Hb 1.3; 4.15; Rm 5.8; Jo 10.17-18; I Co 15.1-20; I Tm 2.5; At 1.9-11; 17.31; Lc 1.32; Ap 20.11-12; Jo 16.7-8; Tt 3.5; I Co 12.13; Ef 1.13-14; I Co 12.4, 11


PESSOA DO PAI


Senhor que julga retamente, e que no amor persegue a redenção de Sua criação caída.


PESSOA DE JESUS CRISTO


O Filho de Deus eterno se fez homem, sendo concebido pelo Espírito Santo, nascido da Virgem Maria, unindo divindade perfeita e verdadeira humanidade em uma pessoa para sempre. Seu nascimento foi uma obra milagrosa do Espírito Santo. Ele viveu uma vida sem pecado, foi crucificado, ressuscitou corporalmente dentre os mortos, e subiu aos céus como Senhor de tudo. Ele agora intercede pelos crentes e voltará pessoal e visivelmente para recebê-los, para estabelecer o Seu Reino e governar com justiça e paz.


PESSOA DO ESPÍRITO SANTO


Deus, o Espírito Santo glorifica o Pai e o Filho em tudo o que ele faz, não chamando a atenção para si mesmo. Seu trabalho inclui convencer e regenerar os pecadores, batizando todos os crentes do corpo de Cristo no momento da regeneração, vivendo neles, permitindo-lhes viver uma vida de fé obediente, equipando e capacitando-os para o serviço e testemunho.


HUMANIDADE


Deus criou o homem e a mulher à sua imagem, e eles se separaram de Deus através de sua desobediência. Consequentemente, todo ser humano nasce com a semente do pecado, sem vontade e incapaz de agradar a Deus. Portanto, mesmo aqueles que nunca ouviram falar a verdade sobre Deus e Sua provisão para a salvação estão perdidos.


Gn 1.27-28; 2.7, 22; At 17.26; Gn 2.16-17; Gn 3.6; Sl 51.5; Rm 3.10-19, 23; 5.12, 16; II Co 4.4; Jo 3.18; Ef 2.1-3; Mt 25.41; Hb 9.27; II Pe 3.7


SALVAÇÃO


A salvação eterna é uma obra totalmente de Deus. Deus, por Sua graça abundante, perdoa os pecadores quando se arrependem de seus pecados e colocam sua fé no Senhor Jesus Cristo como o Filho de Deus, que por eles morreu e ressuscitou dos mortos. Jesus assume o castigo pelo pecado, credita a Sua justiça, realizando a obra da justificação para aqueles que acreditam, e leva-os a um relacionamento eterno com Deus como Seus filhos.


Mt 25.34; Mc 13.27; Jo 5.21-24; 10.14-15, 27-29; 17.2; 19.30; At 13.48; Rm 2.4; 4.25; 5.6-8, 10, 16-17; 6.23; 8.1-2, 29-30; 9.14-24; 11.2, 32; II Co 3.16; 4.6; 5.17, 21; Ef 1.1-11; 2.4-9; Cl 1.22; I Pe 1.20; II Tm 1.9-10; Tt 3.4-7; Hb 2.9; 12.2; Ap 7.9-10; 13.8


SANTIFICAÇÃO


Os crentes são declarados santos e justificados diante de Deus, com base na obra consumada de Cristo. No entanto, até que sejam glorificados, quando vão estar com o Senhor, estão crescendo em santidade, submetendo-se ao Senhorio de Jesus, vivendo na comunidade cristã e sendo preenchidos e controlados por Seu poder pelo Espírito Santo.


Jo 17.17; I Co 3.7; Ef 4.15-16; Rm 1.5; 6.17-19; 8.29; 12.1-2; I Co 3.11-15; 9.24-27; II Co 3.18; Gl 5.16-23; Fp 2.12-13; 3.12-15; I Ts 4.1,4; Hb 12.1-13; Tg 1.14-15; I Pe 1.2, 7; 4.1-3; I Jo 1.5-10; II Jo 1.6-8; Jd 1.24; Ap 22.12


A IGREJA


A igreja universal como corpo de Cristo está sob o Seu Senhorio e é composta por todos os crentes. Ela se torna visível pelas comunidades locais de crentes organizados para a adoração corporativa, edificação, comunhão e a continuação da missão de Cristo na terra. Deus dá dons e líderes espirituais que atuarão nos 5 ministérios de Efésios 4:11 para a edificação de Sua Igreja. Os dois sacramentos ordenados por Deus à Sua Igreja são o Batismo do crente e a Ceia do Senhor.


Mt 16.18; 28.18-20; Ef 1.5-6; 2.19-22; 4.15-16; I Co 12.13; At 16.5; 14.23; Cl 3.12-17; Tt 1.5-9; I Pe 2.4-9; I Co 11.23-26; Mt 18.15-17; I Co 5.1-5


ESPIRITUALIDADE


Desenvolvemos a nossa espiritualidade por uma convergência das grandes expressões históricas de fé e prática: a Evangélica, Carismática, e a Litúrgica/tradições sacramentais.

O Quadrilátero de Chicago-Lambeth de 1886 e 1888, Resolução II, definem os quatro princípios básicos que permeiam a nossa Comunidade:


A) As Sagradas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento, “contêm todas as coisas necessárias para a salvação” e como sendo a regra e padrão de fé.

B) O Credo dos Apóstolos, como o Símbolo Batismal; e o Credo Niceno, como a declaração suficiente de fé.

C) Os dois Sacramentos ordenados por Cristo - Batismo e a Ceia do Senhor - ministrados com o uso infalível das palavras de Cristo da instituição, e os elementos ordenados por Ele.

D) O Episcopado Histórico, adaptado localmente nos métodos de sua administração para as diferentes necessidades das nações e povos chamados por Deus para a unidade da sua Igreja.


Portanto, no nosso uso, o anglicanismo é inclusive de suas origens celtas, raízes patrísticas, a Igreja Medieval, a Reforma Protestante, a Renovação Evangélica Wesleyana, o Movimento de Oxford, e do movimento carismático moderno.


Reconhecemos a riqueza da espiritualidade anglicana desenvolvida desde o início da fé cristã nas Ilhas Britânicas e duradoura até a era atual, com uma ligação ao cristianismo primitivo e heranças passadas pelo cristianismo celta na Irlanda e incorporamos em nossas práticas espirituais de oração e culto elementos do anglicanismo.


Portanto, no nosso uso, o anglicanismo é inclusive de suas origens celtas, Raízes Patrísticas, a Igreja Medieval, a Reforma Protestante, a Renovação Evangélica Wesleyana, o Movimento de Oxford e do movimento carismático moderno.


Os elementos do anglicanismo são:


a) A prioridade e autoridade das Sagradas Escrituras como a fonte de nosso conhecimento de Deus;

b) A orientação doutrinária dos Credos cristãos universais: Credo dos Apóstolos, Credo de Nicéia e o Credo de Atanásio;

c) A verdade que a salvação é, em última análise, um dom de Deus e somente pela graça;

d) O uso da liturgia, que é fiel à Escritura e incorpora a experiência da igreja no culto ao longo dos séculos;

e) O episcopado histórico, como um sinal da unidade da única Igreja de Deus;

f) O triplo ministério de bispo, presbítero (pastores), e diáconos os ministérios que Deus tem levado a Igreja a adotar desde os tempos primitivos;

g) Os dois Sacramentos do Evangelho, o Santo Batismo e da Santa Comunhão ordenados por Cristo para o uso regular na Igreja;

h) A unidade do ministério da Palavra e dos Sacramentos no Serviço da Santa Comunhão;

i) A necessidade de pregação regular e ensino das Sagradas Escrituras;

j) O reconhecimento de que a unidade visível da Igreja na terra é a vontade de Deus;

K) O sacerdócio de toda a Igreja, como sociedade de adoração e oração;

l) O reconhecimento do ministério contínuo do Espírito Santo e da concessão de dons e ministérios em nosso tempo;

m) O compromisso de cumprir a Grande Comissão para ganhar o mundo para Jesus Cristo no Terceiro Milênio;


RESSURREIÇÃO


Haverá uma ressurreição final do corpo de todas as pessoas: os crentes serão ressuscitados para a vida eterna e a comunhão consciente com Deus, os incrédulos serão ressuscitados para o castigo eterno e separação consciente de Deus.


Sl 22.28; 90.2; At 17.24-26; I Co 15.51-54; I Ts 4.13-17; II Ts 2.1-12; Dn 7.24-28; I Ts 3.13; Jd 1.14-15; Ap caps. 19, 20 e 21


SATANÁS E A BATALHA ESPIRITUAL


Satanás e os outros anjos caídos são reais, tem personalidade, são inimigos de Deus e destruidores dos homens. Eles foram derrotados na cruz e são limitados em operação, mas ainda se engajam na batalha espiritual contra o povo de Deus e contra o seu propósito até o Dia do Julgamento Final. Através de Cristo, os crentes podem viver vitoriosamente nesta luta com as forças do mal.


Sl 103. 20; Lc 15.10; Cl 1.16; Hb 1.3-14; Mt 13.19; 25.41; I Ts 2.18; I Pe 2.4; I Tm 4.1


MISSÃO


Cristo comissionou a Igreja para se comunicar com todas as pessoas através do testemunho verbal, vida piedosa, atos de compaixão e com a Boa Nova do amor redentor de Deus e provisão de salvação. É a solene responsabilidade de todos os crentes trabalhar com Cristo no cumprimento da Grande Comissão de fazer discípulos entre todos os povos.

Mc 16:15; Lc 10:1-2; Jo 20:21; At 9:15; Rm 10: 13-15; Lc 24:47

Deixe seu comentário
Sem comentários cadastrados.

Parceiros

Igreja Anglicana Comunhão Paróquia Anglicana do Espírito Santo ACNA Igreja Anglicana no Brasil - Diocese de Recife Encristus | Encontro de Cristãos em Busca de Unidade e Santidade GAFCON